Marketing humanizado: conheça o novo queridinho do mercado

Publicado 10/06/2021

Muitas empresas, no desejo de agilizar seu processo de criação de conteúdo e interação com seus seguidores, tornam-se mecânicas, tendo formatos sempre iguais de posts e com redes sociais organizadas e repetitivas. Não que estas ações sejam ruins, muito pelo contrário — cada negócio conhece seu escopo criativo ideal, mas existem outras formas de criar um conteúdo interessante.

Cansado de chatbots e uma certa previsibilidade, diversas marcas estão migrando para o que mercado chama de marketing humanizado. Você sabe o que é isso? Então siga conosco, que vamos te explicar.

O que é marketing humanizado?

Como o nome já diz, ele é um formato de marketing onde o ser humano é valorizado. Seu foco são as interações pessoais, dando voz e rosto ao que, antes, era feito apenas em carrosséis estáticos e quadrados. Sua força apareceu a partir de negócios que decidiram focar menos no produto em si e mais nas experiências. Sabe aquela ideia de comprar algo porque o produto evoca um sentimento e desperta algo dentro de ti? É mais ou menos por aí.

Mas qual o intuito? Assim como na vida offline, o online é feito por pessoas que, em sua maioria, gostam de se sentir próximas umas das outras, criando laços de compreensão, empatia, apoio e felicidade. Estes sentimentos não existem (ou são forçados) em conversas feitas por robôs. Olhar para uma marca e saber quem está por trás dos processos, sentir que conhece a vida do profissional, entendendo mais sobre seu dia a dia e a expertise que ele carrega faz parte de um processo mais humanizado. 

Pense na última vez que você precisou fazer contato com um atendente virtual, seja por chat, mensagem direta ou respostas nas publicações: como foi a experiência? Ficou aquele sentimento de “Ctrl C+ Ctrl V” nas respostas? Ou a pessoa por trás da marca te atendeu de forma exclusiva, parecendo uma conversa entre amigos? A partir dessas reflexões, você consegue pensar no marketing humanizado como algo bastante relevante.

Segundo uma pesquisa realizada pelo site Retail Dive, 70% dos consumidores preferem uma interação humana ao invés de uma interação robótica. Entre estes, 48% afirmaram que a razão desta preferência se dá por atendimentos automáticos não conseguirem compreender sua necessidade e ajudar, de fato, na resolução dos problemas.

Na mesma pesquisa, 61% das pessoas afirmaram que acham importante um atendimento personalizado, seja por e-mail, chat ou mídias sociais. Ou seja, não é apenas um sentimento ou o achismo de empresas — o consumidor final realmente sente quando fala com robôs e prefere ser atendido por alguém com nome, reações e compreensão.

Marketing Humanizado

Mas como aplicar o marketing humanizado?

Diversas coisas podem auxiliar nessa aplicação, transformando sua comunicação em algo mais natural, fluído e humano. Veja alguns exemplos:

Aposte no storytelling

O storytelling é uma excelente forma de fazer com que sua empresa se torne mais humana. Uma possibilidade é gravar vídeos mostrando processos de produção, setores, entrevistando colaboradores ou colocando experts para apresentar conteúdos. Quem faz isso com excelência é o banco virtual Nubank, que traz com frequência seus especialistas para o YouTube e Instagram, explicando mudanças ou tirando dúvidas que chegam pelos canais de comunicação. 

É possível também utilizar o storytelling para contar histórias de clientes importantes. Um case disso é o do O Boticário, que recebeu o contato de uma mãe que perdeu seu filho para a Covid-19. No relato, esta mãe estava apegada a um frasco do perfume que seu filho usava, que agora estava vazio, já que o produto foi descontinuado e ela não sabia mais como guardar esta memória do ente falecido. A história tomou a mídia a partir do momento que o fundador da marca enviou uma carta com diversas unidades do produto, feito especialmente para esta mãe.

Qual foi o custo disso para a empresa? Talvez não muito. E qual o impacto disso na vida da mãe? Novamente, um case de marketing humanizado fazendo a diferença na vida de uma pessoa, seja ela cliente ou possível consumidor.

Humanize seu SAC

O caso citado acima só teve o desfecho final pois o SAC foi humano e compreendeu as dores da mãe. Outro caso é o de marcas como a Havaianas, que utilizam de relatos dos donos de cachorros que comem chinelos para enviar produtos e gerar mídia espontânea. Alguns bancos também gostam dessa mídia que surge do cliente agraciado e explode nas redes, enviando cartões para os tutores de animais que destroem contas, cartões e afins. 

Claro, é importante ter um guia de SAC baseado na sua brand persona, mas, a cima de tudo, treine seus atendentes para serem pessoas, e não máquinas. Dependendo da persona da sua marca, é possível usar memes ou GIFs, simplificando as conversas e achar as resoluções de problemas de forma descontraída e mais pontual. Descomplique sua marca e a vida do seu cliente.

Engaje sempre que puder

Por que apenas curtir as respostas, se você pode responder quem comentou? E por que se reter apenas a responder quem está engajando diretamente com a sua marca? Para ter presença de marca e se fazer mais humano, é preciso investir em um bom marketing de conteúdo, focado na experiência do seu público-alvo.

Algumas empresas, como o aplicativo de entrega de bebidas Zé Delivery, em seu Twitter, adoram fazer pesquisas relacionadas com seu público-alvo e ir respondendo os usuários. Por exemplo, em segundas-feiras, a busca por “ressaca” é feita, mesmo que não tenha interação com a marca, e a resposta com piadinhas e o envio de cupons para energéticos e produtos semelhantes é realizada.

Outra campeã no engajamento via marketing humanizado é a plataforma de streaming Netflix, que conversa com seus usuários como se fossem amigos. Memes internos, piadas, conexões e até spoilers são dados aos comentaristas no Twitter e Instagram, gerando uma conexão simples e interessante.

Como você viu, pequenas mudanças podem trazer muito valor à sua empresa, fortalecendo as interações e transformando a maneira como o público vê sua marca. E que tal colocar em prática? Se tiver dúvidas sobre como fazer isso, entre em contato conosco que te podemos te ajudar neste processo!

Assine nossa newsletter e receba nosso conteúdo em seu e-mail: